<META content="MSHTML 6.00.2900.2604" name=GENERATOR><!-- --><style type="text/css">@import url(https://www.blogger.com/static/v1/v-css/navbar/3334278262-classic.css); div.b-mobile {display:none;} </style> </HEAD><BODY><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8940721423393911285\x26blogName\x3dCoisas+de+uma+Chef\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://coisasdeumachef.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://coisasdeumachef.blogspot.com/\x26vt\x3d8704643840310654996', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sábado, 28 de julho de 2012
Festa do pastel de angu de Itabirito




Acontece nos dias 04 e 05 de agosto de 20012 a  Festa do Pastel de Angu de Itabirito. Em sua 12ª edição, a festa promete valorizar a joia gastronômica, integrar pais, alunos, professores e comunidade no trabalho de arrecadação de recursos para as escolas e para mostrar a importância da iguaria no cenário turístico itabiritense.

A jóia gastronômica de ltabirito, foi criada no Século XIX, por volta de 1 .851. na época de Itabira do Campo, Distrito de Ouro Preto.O cenário onde teve início â criação do "Pastel de Angu”, foi a Fazenda dos Portões, que em 1.796 pertencia ao Sr. José Ferreira de Aguiar e que, com o seu falecimento em 1 .846 foi passado o seus filhos. Um deles, o Sr. Benedito Ferreiro de Aguiar, em 1.850 vendeu a parte que lhe cabia para o Sr. David Pereira Lima, porteira fechada, com escravos, benfeitorias e todos os animais.
    
Relata a história, que Dona Ana Joaquina de Lima, esposa do Sr. David, tinha bom relacionamento com as escravas e levou duas delas para dentro de casa, tirando-as da senzala.Uma era conhecida por Philó e a outra, por Maria Conga. Elas foram as primeiras a usarem a sobra de angu  principal refeição dos escravos. Na falta de uma complementação de carne, a necessidade e a criatividade das negras as fizeram usar um guisado feito com umbigo de banana, embora em algumas raríssimas ocasiões as escravas, em sua lida na cozinha, escamoteavam pedaços de carne escondendo-os nos roletes de angu e assando-os em rústicos fornos feitos com cupinzeiros.
    
Originalmente, a forma do Pastel de Angu” era arredondada, O recheio colocado sobre a massa era enrolado e depois achatado para ser assado, e recebiam o nome de “Boroa". Tomou a forma atual no Século XIX, por volta de 1.885, pelas habilidosas mãos de Dona Ana da Prata Baêta, conhecida por “Dona Saninha da Prata que, em 1.915 passou a receita para sua nora Dona Emilia Martins Baêta, apelidada de “Dona Milota”, falecida em 1.972. Dona Milota fazia divinamente os Pastéis de Angu, e os vendia como forma de ajudar nas despesas domésticas.
   
Muito difundido em Itabirito, sua fama e receita transpuseram os fronteiras do município, sendo levadas para Belo Horizonte, ltabira, Conceição do Mato Dentro, General Carneiro, Sabará e dezenas de outras cidades, inclusive no Estado de São Paulo.
  
Contam os mais antigos, que a família Gonçalves, teve um papel importante na divulgação desta delícia, fora de ltabirito, pois o próprio Dr. Guilherme Gonçalves em suas visitas médicas longe de ltabira do Campo, às vezes comentava sobre o delicioso “Pastel de Angu”,despertando em todos, a vontade de obter a receita.

Até hoje, a receita é passada de mãe para filha, conservando fielmente o modo de fazer e como fritá-los. Os ingredientes usados devem ser de primeira qualidade (fubá de milho moído em moinho movido a água, polvilho especial, etc.) e além do umbigo de banana, ainda é oferecido com recheio de bacalhau, carne de boi moída, carne de frango e também de queijo.

Vale a pena provar e degustar os Pasteis de Angu, a delícia ltabiritense e conhecer um pouquinho da cultura local nos dias da festa.Com certeza você também vai se apaixonar.

Quer arriscar ir pra cozinha e preparar a iguaria?



Ingredientes:

    1  litro de água
     ½ Kg de fubá  de milho moído em moinho d’água (peneirado)
     2 colheres de sopa de óleo
     1 colher de chá de sal
     1 ovo
     1 pitada de bicarbonato
    ½ copo (americano) de polvilho azedo (peneirado)

Recheio á gosto (carne moída, frango, queijo, bacalhau e umbigo de banana).
Preparo:
     
Coloque para ferver em uma panela, a água, o sal, e o óleo. Assim que estiver fervendo (borbulhando) coloque o bicarbonato e em seguida vá acrescentando fubá e vá mexendo rapidamente com uma colher de pau para não embolar.
Deixe cozinhar um pouco.
Depois tire do fogo e vire numa mesa (pedra), acrescente á massa o polvilho e o ovo.      
Sove a massa ainda quente, até ficar consistente.
Enrole a massa em um pano de prato úmido e vá fazendo os pastéis.
Fritar em óleo bem quente e não mexer até que comece a dourar,

Dicas:
       
Para não queimar as mãos enquanto estiver sovando a massa, saquinhos de plástico nas mãos.
Os pastéis deverão ser feitos a mão, a massa não deverá ser aberta com rolo ou máquina.
A quantidade de óleo na panela deverá ser suficiente para cobrir os pastéis para fritá-los.
 

Marcadores: , , ,








segunda-feira, 23 de julho de 2012
Hot Dog Gourmet - Dia nacional do Hot Dog



Hoje é comemorado, pelo menos nos EUA o Dia Nacional do Hot Dog.

O sanduíche de salsicha que hoje conhecemos como cachorro-quente, ou hot-dog, chegou ao Brasil na década de 1920, com a inauguração da Cinelândia, no Rio de Janeiro. Porém, existe dúvida quanto ao surgimento do nome do prato.
A lenda diz que um homem vendia os sanduíches em um jogo de futebol enquanto gritava “comprem suas salsichas dachshund enquanto ainda estão quentes” – uma piada com o cachorro alemão dachshund, que tem o corpo comprido como uma salsicha. Tad Dorgan, cartunista do jornal New York Journal, teria visto a cena e feito uma charge. Já que não sabia escrever “dachshund”, escreveu “dog” no lugar, inventando o termo “hot dog”.

Só que não é bem assim. Por incrível que pareça, nos Estados Unidos existe um Conselho Nacional do Hot Dog e da Salsicha. E esse conselho diz que não há registro histórico do cartum feito por Dorgan. De acordo com o site da organização, piadas sobre cachorros e salsichas são feitas na Alemanha desde o século 19. O termo “hot-dog” aparece desde 1890 em revistas como a da Universidade de Yale, com referência a barraquinha que vendiam o sanduíche.
Este estudo histórico sobre o nome do cachorro-quente é apenas um dos artigos publicados no site do Conselho, que foi criado em 2008 como parte do American Meat Institute – associação de comerciantes de carne dos Estados Unidos. O site foi criado para informar consumidores e imprensa sobre qualidade e preparação de hot-dogs.
Entre os textos publicados pelo Conselho, está uma lista de como dizer cachorro-quente em dez línguas. Na maioria dos países, o nome é apenas uma tradução de “hot-dog”, como aqui. Já na Finlândia, eles são chamados apenas de “makkarat” (salsicha).

Pelo Brasil, salsicha e pão são combinados de várias maneiras diferentes. Em São Paulo, por exemplo, o cachorro-quente pode levar purê de batata, enquanto no Rio de Janeiro as barraquinhas acrescentam ovo de codorna ou até uva-passa. Talvez essas receitas não estejam de acordo com o site. Em um guia de etiqueta do hot-dog, está escrito que os acompanhamentos aceitáveis são apenas mostarda, cebola, relish (tempero de vegetais em conserva picados), queijo e pimenta. Ketchup, só se o consumidor tiver menos de 18 anos.
Mas será que o lanche rápido e despretensioso, que surgiu no Estados Unidos apenas como um pão que acompanha uma salsicha quente, pode também ganhar sua versão sofisticada e alcançar o status de gourmet? As imagens abaixo mostram que sim.

O sofisticado Sud dog de Roberta Sudbrack leva salsicha tipo húngara levemente picante e queijo gruyère.

Todo feito na cozinha da burgeria, o sanduíche do Eddie Burger é composto com salsicha suíça Berna.
 O hot dog mais caro do mundo: azeite de trufas e carne de pato.

E Nos EUA, foi criado o dia nacional do hot dog, comemorado em 23 de julho. Neste ano, o chef Caldrone do restaurante Serendipity 3 resolveu celebrar a data . Com preço de U$ 69 (aproximadamente R$122), o lanche rápido entrou para o livros dos recordes Guinness e traz em sua composição azeite de trufas, manteiga trufada, carne de pato, mostarda dijon, trufas negras, cebolas caramelizadas e pão salgado de pretzel .
   

Geralmente considerado uma das mais baratas opções para matar a fome, o hot dog atingiu outro nível no restaurante Serenidipity 3, de Nova York.E em 2010, em comemoração ao dia nacional do hot dog, o chefe de cozinha Joe Caldrone resolveu elevar a condição do lanche, colocando-o em um nível mais alto da gastronomia,elaborando o cachorro-quente mais caro do mundo.O cachorro-quente custava na época US$ 69,00.O preço salgado foi, inclusive, motivo de entrada do feito no livro dos recordes, como o hot dog mais caro do mundo.

Para justificar o preço, algumas características diferentes entre este prato e o nosso dogão de todo dia são: azeite de trufas, pão salgado de pretzel, manteiga trufada, carne de pato, mostarda dijon, cebola e ketchup.





Marcadores: